MODO CERTO DE SEGURAR O VOLANTE

troca de marchas (1)
COMO MUDAR DE MARCHAS CORRETAMENTE
31/08/2018
MODO CERTO DE SEGURAR O VOLANTE

O modo de segurar o volante, para muitas pessoas, transmite o domínio e empoderamento de quem está conduzindo o automóvel. Alguns até dizem que o modo como fulano segura o volante é mais “bonito” ou “estiloso”.

Acontece que nessa de segurar o volante com mais estilo, muita gente acaba seguindo o exemplo errado e reproduzindo vícios ao dirigir que podem tornar a direção perigosa. É importante lembrar: no ato de dirigir o que importa não é o mais bonito nem o mais charmoso, mas sempre o mais seguro.

Algumas pessoas dirigem com uma mão só, transparecendo toda a calma do mundo e certo ar de “eu sou bom” ou “eu sei dirigir melhor que os outros”. No entanto, por melhor que a pessoa pense que dirija, ela só pode responder por si mesma: não pode prever acidentes, não vai evitar que outro motorista cometa uma imprudência e provoque um acidente, exigindo que as duas mãos estejam firmes ao volante para uma manobra defensiva.

Imprevistos podem acontecer e se você não estiver segurando o volante do modo certo e seguro, pode perder o controle do carro numa curva ou não ter tempo de reação na hora de se defender de uma situação de risco.

O volante é um dos instrumentos mais importantes do carro, pois é ele que vai indicar a direção, vai guiar o carro seja em linha reta ou nas manobras. O modo como seguramos o volante e posicionamos as mãos pode facilitar ou dificultar a direção, principalmente numa curva.

Mas tem um detalhe do volante que pouca gente percebe no começo da aprendizagem e que nem todo instrutor explica ao aluno, talvez, por parecer óbvio demais para quem dirige há mais tempo: é o desenho do volante. Você sabe o porquê de todo o volante ter uma meia-lua e o que ele indica na hora de manobrar?

Primeiro, vamos analisar todo o volante!

Notem que o volante é um círculo dividido no meio em que a meia-lua (a metade maior) fica para cima e a metade menor (dividida em dois) fica para baixo.

  1. Cada vez que a metade maior está para cima, significa que as rodas estão retas;
  2. Quando a metade menor, com duas divisões, fica para cima, indica que as rodas estão tortas.

Essas referências ajudam a fazer as manobras, principalmente no começo da aprendizagem, quando estacionamos o carro e precisamos endireitar as rodas.

O que acontece com frequência em entradas de garagens e portões é posicionarmos o carro para entrar e abrirmos o portão. Quando avançamos com o carro para dentro ele patina, temos de pisar mais no acelerador ou mesmo canta pneu. Na maioria das vezes isso acontece porque as rodas estão tortinhas, desalinhadas e não respondem ao comando rápido dos pedais. Basta verificar a posição do volante e se a meia-lua estiver torta ou a parte maior da abertura estiver para baixo, é só colocar para cima que as rodas ficam retas e a pisada no acelerador é mínima para subir.

 

POSIÇÃO DOS PONTEIROS DO RELÓGIO

A posição dos ponteiros do relógio significa que você vai segurar o volante exatamente no ponto onde ele é dividido ao meio em duas meias-luas, ou seja, posição das 9 horas e 15 minutos. Além das mãos ficarem numa posição ideal para obter total controle do carro, principalmente em curvas, facilitando uma manobra ofensiva, os dedos já ficam na posição ideal de dar seta.

Com as mãos segurando o volante nessa posição, cada vez que for virar o volante para trocar de direção é só esticar um dos dedos da mão e já ligar a seta. Dessa forma, não tem como esquecer de sinalizar todas as suas intenções no trânsito.

Há pessoas que preferem utilizar a posição 10 horas e 10 minutos, que também é uma posição confortável para dirigir, mas desde que o motorista sempre ligue a seta para quaisquer manobras no trânsito.

  1. A posição certa de segurar o volante é aquela em que você tem conforto para dirigir e facilidade para controlar o carro em curvas.
  2. Não precisa de força para segurar o volante. Segurar volante requer firmeza e não força. Os volantes estão saindo de fábrica cada vez mais leves e confortáveis de dirigir, portanto não é necessário aplicar força. Se sentir a mão doer, o braço tenso, pesado ou dor nas costas, relaxe e deixe os braços mais soltos.
  3. Não é o volante que indica a direção do carro, mas a frente do carro que indica o tanto que temos de virar o volante. Por exemplo, se o aluno gira o volante por girar, ele fica na expectativa para que lado o carro vai, daí fica perdido, não se entende com o carro. Quando estiver dirigindo no pátio ou nas ruas, sinta o volante, não aplique força nele, vá girando só o tanto que a cara do carro (a frente dele) indica. Você vai perceber que sem aplicar força nenhuma ao volante o carro responde.
  4. Regrinha básica: é a velocidade do carro que indica o tanto que temos de virar o volante. Portanto, fazer uma curva a 80km/h vai exigir só um toquinho de leve no volante para virar as rodas, mas fazer uma manobra de estacionamento vai exigir bem mais voltas.

– Quanto maior a velocidade do carro, menos voltas no volante;

– Quanto menor a velocidade do carro, mais voltas ao volante para comandar as rodas.

 

Controlando o volante e a posição e a das rodas:

  1. Com o carro em 1ª marcha, andando bem devagar, defina um destino: se você vai seguir reto ou vai fazer uma curva;
  2. Guie-se pela frente do carro, pela cara dele é só gire o necessário, um toque bem devagarinho no volante e sinta para que lado as vão. Você comanda e o carro obedece;
  3. Com o carro parado, faça um exercício de controle de volante colocando o carro em movimento e indo para frente. Tente aproximar o carro de frente do meio fio, como se fosse estacionar rente à ele. Faça esse comando em primeira marcha, girando bem de leve e o volante e segurando o carro em embreagem e freio para sentir para que lado ele vai quando você gira o volante. Depois faça mais rápido quando estiver se acostumando com o comando das rodas;
  4. Simule uma vaga de garagem em que você tem de estar reto com o carro ou simplesmente gire mais de uma volta o volante (guie-se pela figura de meia-lua do volante);
  5. Agora, deixando o volante nessa posição, coloque a primeira marcha e tente acelerar pouca coisa para ver o que acontece. Simplesmente o carro trava e isso acontece porque provavelmente a meia-lua dividida em dois do volante está para cima e as rodas estão tortas. Mas note que se você tiver dado mais de uma volta no volante, a meia-lua maior ficará para cima, mas as rodas ainda estarão tortas;
  6. Agora tente desvirar as rodas girando o volante aos poucos. Muita gente tem dificuldade em saber quando as rodas estão alinhadas ou tortas. Como fazer? Em meia embreagem e freio, vá virando o volante aos poucos; se o ponto de embreagem estiver naquele ponto em que o carro quiser sair sozinho, só controle pisando no freio, pois o carro já terá algum movimento. Ao soltar o pé do freio, o carro vai começar a andar um pouquinho e você verá para que lado o volante vai. Vá ajeitando de leve até que a meia-lua fique para cima e as rodas retas. Aí sim, você manobra ou sai com o carro sem dificuldade.

 

O conteúdo deste artigo foi desenvolvido baseado no livro da autora Márcia Pontes.

 

Leia também: ESTACIONAR RENTE AO MEIO FIO